Escolinha e as primeiras doenças

Como fazer a limpeza de Mamadeiras / Chupetas
27 de outubro de 2016

A introdução escolar é um marco na vida das famílias. Muitas mudanças acontecem na dinâmica familiar, e junto com toda essa fase turbulenta, ainda surgem as primeiras doenças do bebê.

É muito comum, logo após 1 ou 2 semanas do início escolar, os bebês - salvo os que tem irmãos mais velhos ou contato muito próximo com outras crianças- começarem a apresentar várias doenças seguidas. É o famoso: terrible first year - o terrível primeiro ano escolar!

 

O que é importante saber nessa fase?

Precisamos saber o que é normal e o que não é. É muito comum, as mamães me questionarem se os bebês tem algum problema de imunidade, pois estão “ficando muitas vezes doente”, e a maioria, está na evolução normal.

Normal é ficar de 8 a 12 vezes resfriado ou com alguma doença mais simples neste primeiro ano escolar(!!), e este número vai caindo com o passar dos anos na escola( ufa!). Tudo isso é causado, na sua maioria, por contato com novos vírus e bactérias. Algo que nunca havia ocorrido na vida do bebê, o que favorece que eles sejam mais suscetíveis a desenvolver infecção.

Eles passam a ser expostos a mais de 200 vírus respiratórios, pelo menos! Esses vírus são espalhados pelo ar, nas mãozinhas, secreção nasal, objetos.

Vamos pensar nos nossos bebês? Em 5 minutos brincando numa brinquedoteca: quantos objetos eles colocam na boca? Quantas vezes coçam olhos, nariz e tocam nos brinquedos?

E esse é apenas UM dos mecanismos de transmissão dos vírus e bactérias. Imaginem nas 4-6, até 8 horas que estão na escola, quantos desses episódios aconteceram?

Assim, não há muito como escapar das temidas infecções do primeiro ano escolar. E apesar de serem massacrante para os pais e para os bebês, a boa notícia é que cada doença desenvolve em seu filho uma imunidade permanente contra cada vírus que teve contato. E há estudos que comprovam os benefícios da aquisição dessas doenças nessa fase, evitando diversas doenças graves no futuro.

Quanto a imunidade, geralmente não há nada errado, não é comum ter deficiência. Apenas investigamos casos mais graves ou com histórico familiar. Mas sua pediatra saberá identificar essa necessidade.

Para amenizar essa luta -amenizar apenas, pois não existe a fórmula mágica- é importante ter bons hábitos. Alimentação rica em nutrientes, exposição solar segura- pela poderosa vitamina D-, horário de dormir respeitado, vacinação em dia. Além disso, é sabido que o aleitamento materno protege o bebê dessas infecções, mesmo no futuro, quando já não estiver mais mamando.

Portanto, fiquem tranquilos, essa fase é difícil, mas passa. Procure sempre o amparo da sua pediatra para avaliar seu bebê e para que vocês possam curtir com mais plenitude essa fase tão especial e nova na vida da família, que é o início da escolinha.